CAETOBRIGA

As origens de Setúbal remontam, segundo os investigadores ao ao início da Idade do Ferro, possivelmente já relacionadas com a exploração de sal e comércio marítimo. Na Época Romana assiste-se ao crescimento do povoado inicial e das actividades comerciais e portuárias aliadas ao incremento das unidades de transformação do pescado.

Caetobriga é, portanto, essa cidade referida por Ptolomeu e que o Itinerário de Antonino localizava numa das vias que ligava Olisipo (Lisboa) a Emerita (Mérida), a 24 milhas de Olisipo (de Olisipo a Aquabona 12 milhas; de Aquabona a Cetóbriga, 12 milhas), foi durante muito tempo identificada com as da cidade fronteira de Tróia.
Actualmente a via romana é conhecida por Estrada do Viso, de que se conhece um troço de 300m, localizado nos arredores de Setúbal, na localidade do Grelhal. Este troço de estrada romana fazia parte da rede viária da Lusitânia, com várias ligações para Sul, a exemplo de Salacia (Alcácer do Sal) e Ebora (Évora), até Emerita Augusta (Mérida, Espanha), a capital da Lusitània. Para Norte, a estrada ligaria a Equabona (Coina), de onde, por via fluvial, se atravessaria até Olisipo (Lisboa).

As investigações arqueológicas mais recentes revelaram vários vestígios no Centro Histórico de Setúbal, destacando-se o conjunto de cetárias na Travessa Frei Gaspar por ser visitável.