Museus, núcleos museológicos e centros interpretativos

Recolha: Filomena Barata

Esta lista encontra-se em elaboração, pelo que solicitamos a vossa compreensão por eventuais lapsos ou omissões.

Museus com colecções de Arqueologia

Mapa elaborado por Mário Jorge Almeida
a partir de informação recolhida por Filomena Barata

DISTRITO DE AVEIRO

Museu Convento dos Lóios, Santa Maria da Feira

O inventário dos sítios e achados ocorridos na área do concelho de Santa Maria da Feira documenta uma ocupação do território desde tempos pré-históricos, particularmente do Megalitismo, com registo de diversos monumentos e artefactos que, por norma, resultam de descobertas casuais, fortuitas, não sendo objeto de investigação mais aprofundada, excetuando os sítios arqueológicos de referência do concelho, nomeadamente:

Castelo de Santa Maria da Feira

Castro de Romariz

Castro de Fiães

Aqui

Casa – Museu Regional de Oliveira de Azeméis

Aqui

O Museu Regional de Cucujães, localizado no edifício da antiga Escola Primária Progresso, foi inaugurado em 2002 e possui um espólio que reúne alfaias de várias atividades tradicionais, trajes regionais e  materiais arqueológicos.

Informações úteis
Rua Abade João Domingos Arede | 3720-664 Vila de Cucujães
GPS: 40º52’8.46”N | 8º29’50.29”W
Horário: Sábados: 14:00h – 17:00h | Domingos: 10:00h – 12:00h
Entrada gratuita
Tel:
 (+351) 256 890 677
Informações a partir de: (http://www.cucujaes.net/turismo-e-lazer/museu-regional)

DISTRITO DE BEJA

Museu Regional de Beja

O Museu Regional de Beja é polinucleado, tem um importante acervo arqueológico, parte dele proveniente de Pax Iulia romana.


O polo principal do Museu Rainha Dona Leonor ou Museu Regional de Beja ocupa as instalações do antigo Convento da Conceição, na freguesia de Santa Maria da Feira, cidade e concelho de Beja, distrito com o mesmo nome.
Mas também o Núcleo Visigótico do Museu Regional de Beja, que se localiza na Igreja de Santo Amaro, Beja, tem um notável acervo desse período. 

Nenhuma descrição de foto disponível.
Núcleo Visigótico, Igreja de Santo Amaro, Beja

Para melhor conhecer, veja aqui e aqui

Largo da Conceição 7800-131 Beja Telefone: 284 32 33 51
E-mail : geral@museuregionaldebeja.net

Museu Municipal de Moura

Em 1884, um grupo de mourenses recolheu um espólio arqueológico significativo, mas o desejo de preservar e expor ao público todo o espólio arqueológico e de criar um Museu em Moura, quie apenas se conseguiu concretizar em 1915. Foi então instituído a Biblioteca-Museu com as secções de: Pré-História, Época Romana e Etnografia Portuguesa.Em 1993, a Câmara Municipal de Moura considerou esta colecção com uma relevante importância arqueológica que passou a ter um espaço próprio,  deixando de partilhar o espaço com a Biblioteca Municipal, e é transferido para um antigo celeiro comum conhecido como a “casa do rato”.
Trata-se de uma exposição permanente, onde poderá ser apreciada uma grande variedade de materiais arqueológicos (da Pré-história ao séc. XVIII), etnografia africana, armaria e arte sacra.3ª feira a Domingo: 09:00 / 12:30; 14:00 / 17:30Museu MunicipalRua da Romeira, 19
7860-141 MouraCoordenadas GPS – 38º 08′ 38, 942” N/07º 26′ 52, 670” W
Telf.: 285 253 978

Informações a partir de aqui

Museu Municipal de Ferreira do Alentejo

O Museu Municipal de Ferreira do Alentejo é uma estrutura polinucleada, cujo núcleo sede se situa na Rua Júlio de Vilhena nº5, Casa Agrícola Jorge Ribeiro de Sousa, edifício de finais do século XIX. Inserido na Rede Portuguesa de Museus e também na Rede Informal de Museus do Distrito de Beja, o Museu sugere um longo percurso de visita que vai desde a criação do Universo à História do Concelho de Ferreira em pleno século XXI.

Nenhuma descrição de foto disponível.

Infomação obtida a partir de aqui 

No Museu Municipal de Ferreira do Alentejo pode ver-se, para além de uma colecção de pintura, arte sacra, curiosidades sobre personalidades do Concelho, de etnomusicologia e sobre a cozinha tradicional Alentejana, parte dos materiais arqueológicos encontrados na Villa romana do Monte da Chaminé, tais como cerâmicas, vidros e metais datáveis da Época Romana, entre os Séculos I e VI d.C.; bem como um grande chocalho e um cadeado, e ainda um conjunto de escopros, argolas e facas.

DISTRITO DE BRAGA

Museu Municipal de Esposende

O Museu Municipal de Esposende – MME faz parte da estrutura orgânica da Câmara Municipal de Esposende.
O MME é constituído por dois núcleos: o Museu de Esposende, localizado na freguesia de Esposende e o Museu d’Arte, localizado na freguesia de Fão que interagem entre si.
O acervo do Museu Municipal de Esposende é essencialmente constituído por colecções de arqueologia provenientes das intervenções arqueológicas realizadas no Concelho, por colecções de etnografia (rural, marítima e agro-piscatória) e por colecções de arte provenientes de doações. 
O Museu Municipal de Esposende tem como vocação primordial estudar, conservar e divulgar as suas colecções, bem como apoiar e colaborar na salvaguarda, estudo e divulgação do património concelhio que se encontre nas mãos de particulares, da Igreja ou de outras instituições. 

Museu da Geira, Terras do Bouro

«Inserido no Parque Nacional da Peneda-Gerês, o Museu da Geira foi inaugurado em junho de 2013 e é dedicado à via romana que ligava Braga a Astorga, em Espanha. O concelho de Terras de Bouro preserva um percurso com a extensão de 30 quilómetros desta antiga via. O museu está estruturado em quatro salas temáticas, um auditório e gabinetes para estudos arqueológicos. A primeira sala debruça-se sobre o planeamento e a análise topográfica da via romana da Geira; a segunda ilustra os métodos de construção, dando a conhecer os processos de extração das pedras e de edificação das vias e as pontes; a terceira intitula-se Viajar na geira e dá a conhecer o designado cursus publicus romano; por fim, a quarta sala está reservada à paisagem e mostra a sua evolução desde a idade do ferro à idade romana. Através de uma tábua cronológica, o visitante pode ainda fazer uma viagem de 2000 anos pela geira romana».

Citação a partir de aqui
Rua da Ponte Romana. Terras de Bouro 253 357 216geira@cm-terrasdebouro.pt

Museu da Sociedade Martins Sarmento, Guimarães

O Museu da Sociedade Martins Sarmento trata-se de um dos mais antigos museus arqueológicos nacionais, tendo sido instalado em 1885, sendo constituído fundamentalmente com o espólio que pertenceu à colecção particular de Francisco Martins Sarmento, doado à instituição, mantendo ainda hoje, no essencial, a estrutura expositiva inicial.

O Museu, instalado na sede da SMS, tem as suas secções arqueológicas distribuídas nas instalações do extinto Convento de S. Domingos (escadaria de S. Domingos e claustro gótico, ao qual, em finais do século XIX, foi sobreposto um segundo piso para funcionar como galeria do Museu). 

O acervo do Museu distribuem-se por cinco secções: 
Secção de epigrafia e escultura antiga (escadaria do antigo convento de S. Domingos, piso inferior do claustro e jardim). 
Secção das indústrias pré e proto-históricas (galeria superior do claustro de S. Domingos). 
Secção de numismática, esfragística e medalhística (galeria superior do claustro S. Domingos, em parte em reserva). 
Secção de etnografia moderna (actualmente em reserva). 
Secção de arte moderna e contemporânea (actualmente em reserva). 

Texto elaborado tendo como fonte:
Rua Paio Galvão, 4814-509, Guimarães

Museu da Cultura Castreja, da Sociedade Martins Sarmento, instalado na Casa da Ponte, S. Salvador de Briteiros 


DISTRITO DE BRAGANÇA

Museu do Abade de Baçal – Bragança


As principais coleções que integram o acervo do Museu Abade Baçal são Arqueologia, Epigrafia, Arte Sacra, Pintura, Ourivesaria, Numismática, Mobiliário e Etnografia. O espólio do museu tem sido gradualmente enriquecido através de doações, legados e aquisições.O Museu foi criado por Decreto Lei em 13 de Novembro de 1915 sob a designação de Museu Regional de Obras de Arte, Peças Arqueológicas e Numismática de Bragança. 
Em 1935, data da jubilação do Abade de Baçal, passou a designar-se em sua homenagem Museu do Abade de Baçal, pelo seu notável trabalho como investigador e também Director do Museu entre 1925 e 1935.

Rua Abílio Beça, n.º 27BragançaLigar 273 331 595
mabadebacal@culturanorte.gov.pt

Informação obtida a partir de Aqui

Museu da Terra de Miranda


O Museu da Terra de Miranda localiza-se no centro histórico de Miranda do Douro, instalado na antiga Domus Municipalis da cidade, um notável edifício do século XVII. Fundado em 1982, o museu evoca o território onde se insere, ao longo do tempo, e a vida social e cultural da região.

Serviços Disponibilizados ao PúblicoExposição PermanenteEtnografia da Terra de Miranda
Horário3.ª feira 14:00-18:00; 4.ª feira a Domingo 9:00-13:00 e 14:00-18:00. Encerrado ao público à 2.ª feira, 3.ª feira de manhã e nos feriados de 1 de janeiro, domingo de Páscoa, 1 de maio e 25 de dezembro. – See more at: http://www.culturanorte.pt/pt/patrimonio/museu-da-terra-de-miranda/#sthash.Lolr9RnI.dpuf
Informação obtida a partir de aqui e aqui
 

Museu Municipal de Arqueologia – Coronel Albino Pereira Lopo,  Macedo de Cavaleiros

DISTRITO DE CASTELO BRANCO

Nenhuma descrição de foto disponível.

Museu de Francisco Tavares Proença Júnior, Castelo Branco
O Museu Francisco Tavares Proença Júnior foi fundado em 1910 por Francisco Tavares Proença Júnior (1883-1916), tendo sido inicialmente instalado no Conventodos Capuchos de Castelo Branco. Foi transferido, em 1971, para o edifício do antigo Paço Episcopal adaptado para o efeito
Inicialmente o Museu tem por base a coleção arqueológica de Francisco Tavares Proença Júnior, posteriormente enriquecido com peças de arte antiga provenientes do recheio do Paço Episcopal e com incorporações sucessivas de espólios arqueológicos, paramentaria e colchas bordadas, estas últimas provenientes da coleção Ernesto de Vilhena. 
Durante os anos oitenta do século XX, incorporou diversas obras de arte contemporânea.

Informação obtida a partir de aqui:

Núcleo epigráfico de Idanha-a-Velha

Nenhuma descrição de foto disponível.
A Vitória Maurião, filho de Marco, cumpriu a sua promessa de livre vontade.

DISTRITO DE COIMBRA

Museu Nacional Machado de Castro, Coimbra

Nenhuma descrição de foto disponível.

Museu Machado de Castro. Ocupa o imóvel do palácio de um membro do clero construído sobre a plataforma do Forum, transformado em Museu em 1911. Trabalhos realizados em 1930, no paço, entretanto convertido em museu, chamaram a atenção para essa infra-estrutura romana que posteriormente (1955 a 2004) foi objecto de diversas campanhas de investigação arqueológica e restauro.

Nenhuma descrição de foto disponível.
Criptopórtico romano, Museu Machado de Castro

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-nacional-machado-de-castro/

https://www.facebook.com/www.loggia.pt?fref=ts

Museu Municipal Santos Rocha, Figueira da Foz.

Fundado em 1894 por António dos Santos Rocha, o Museu Municipal atravessou várias fases, atendendo os critérios museológicos que presidiram às suas sucessivas reinstalações em diferentes espaços físicos.«Até 1910, sensivelmente, pode considerar-se que viveu uma fase áurea, estendendo a sua fama além fronteiras. A notável acção de Santos Rocha, os trabalhos da Sociedade Arqueológica da Figueira da Foz e as publicações inseridas no seu Boletim levaram a que o Museu Municipal se colocasse a par das melhores instituições científicas nacionais.
Instalado provisoriamente na Casa do Paço desde 1899, foi transferido para o edifício dos Paços do Concelho em 1910, onde se manteve até 1975, data da abertura oficial ao público do novo edifício, construído com o apoio financeiro da Fundação Calouste Gulbenkian e projetado pelo arquiteto figueirense Isaías Cardoso.
Com a abertura do novo espaço deu-se início a todo um trabalho de reinstalação e estudo das peças, associado a um grande esforço de dinamização junto do público, coletividades e escolas.
O Museu dispõe de um centro de documentação que disponibiliza uma vasta coleção de obras de temática relacionada fundamentalmente com a História da Arte, Arqueologia e Museologia. Possui ainda um núcleo significativo de bibliografia relativa à história local e história do Museu Municipal.

Constituído por uma sala de leitura/consulta e por um espaço de reserva, não dispõe de serviço de empréstimo, no entanto a consulta e leitura presenciais podem ser realizadas de segunda a sexta, das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 17h00».
Rua Calouste Gulbenkian
3080-084 Figueira da Foz
233 402 840 
EMAIL:museu@cm-figfoz.ptInformação citada a partir de:

http://www.cm-figfoz.pt/index.php/cultura/2014-03-20-16-23-51/museus

Museu da Pedra – Cantanhede

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-da-pedra/

DISTRITO DE ÉVORA

Museu de Évora

https://www.facebook.com/pages/Museu-da-Lucerna/107844232664139?fref=ts

Museu de Estremoz
Museu-Biblioteca da Casa de Braçança
Núcleo do Castelo (Colecção de Arqueologia) 

No interior da alcáçova do castelo o visitante pode descobrir os Museus da Caça e de Arqueologia.

http://www.cm-vilavicosa.pt/pt/site-visitar/oquevisitar/Paginas/Castelo.aspx

http://www.cm-vilavicosa.pt/pt/site-visitar/oquevisitar/Paginas/Palacio.aspx

DISTRITO DE FARO


Museu de Portimão

https://www.facebook.com/pages/Ammaia/443151045800724?fref=ts

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-de-portimao/

Museu Municipal de Faro

O hoje denimonado Museu Municipal de Faro foi o segundo criado no Algarve.  Data de 2 de Fevereiro de 1894 a deliberação que cria oentão Museu Archeológico e Lapidar Infante D. Henrique, homenageando assim o Navegador, por no V Centenário do seu nascimento. Em 1896 a exposição do espólio já ocupava três salas do edifício dos Paços do Concelho. 
A abertura ao público efectuou-se no dia 9 de Outubro de 1897, com a presença do Rei D. Carlos e da Rainha D. Amélia.
Em 1913, já durante a I República, este núcleo passa a funcionar na Igreja do Convento de Santo António dos Capuchos, onde permaneceu até 1971, tendo sido transferido para as actuais instalações, no antigo Convento da Nossa Senhora da Assunção ea inaugiração di novo espaço ocorreu em 1973.
O espólio arqueológico é o mais significativo deste Museu, integrando objectos da pré-história e das épocas romana e medieval. Podemos salientar o célebre mosaico do Ociano, datado dos séculos II/III, os bustos imperiais de Adriano e Agripina e um acervo de epígrafes de Ossonoba. 

Localização e Contactos
Largo D. Afonso III, 14, 8000-167 Faro
email: museu.municipal@cm-faro.pt
Telefone: 289 870 827/9
Fax: 289 870 038

Texto elaborado a partir de:

http://www.cm-faro.pt/menu/218/museu-municipal-de-faro-na-histc3b3ria.aspx

O Museu da Cidade de Olhão.

Edifício do Compromisso Marítimo de Olhão, Largo da Restauração (junto à Igreja Matriz) este edifício acolhe actualmente o Museu Municipal. 

http://www.cm-olhao.pt/areasatuacao/cultura/compromisso-maritimo-museu

Museu Municipal de Loulé
O Museu Municipal de Loulé é um museu polinucleado, visando conhecer o território e a descobrir as suas histórias, passando por Salir, Alte e Querença. Esse território foi ocupado desde a pré-história até à época moderna. Poderá assim conhecer a serra, o barrocal e o litoral.

Núcleo Sede:
Alcaidaria do Castelo
Rua D. Paio Peres Correia, n.º 17 8100-564 Loulé
Tel. : 289400885

Aberto de Terça a sexta-feira: 10h00 – 18h00
Sábado: 10h00 – 16h30
museu@cm-loule.pthttp://www.museudeloule.pt

Museu Municipal de Alcoutim

O Museu Municipal de Alcoutim é uma estrutura polinucleada que engloba v+arias temáticas, como a Etnografia, a Arqueologia, a História Local e a Arte Antiga. Possui os seguintes núcleos:

Núcleo Museológico de Arte Sacra (Alcoutim), um breve olhar sobre as igrejas de Alcoutim;

Castelo de Alcoutim – Núcleo Museológico de Arqueologia, com as exposições O Património Arqueológico de Alcoutim e Jogos Intemporais;

Núcleo Museológico de Santa Justa (Santa Justa, Martim Longo), A Escola Primária pretende preservar a memória do que terá sido a infância no Estado Novo;

Estação arqueológica Menires do Lavajo (Alcoutim);

Estação arqueológica Ruínas do Montinho das Laranjeiras (Montinho das Laranjeiras, Alcoutim);

Exposição “Alcoutim, terra de fronteira”, exposição de exterior sobre a história de Alcoutim e as relações com Sanlúcar de Guadiana;

Casa do Ferreiro (Pereiro), uma antiga forja convertida em espaço comunitário;

Núcleo Museológico Dr. João Dias (Alcoutim).
Rua do Município, 12, 8970-055 Alcoutim
Telf.: 281 540 545 / 281 546 363 | museu@cm-alcoutim.pt | www.cm-alcoutim.pthttps://museusdoalgarve.wordpress.com/about/camara-municipal-de-alcoutim-2/

DISTRITO DA GUARDA

Museu da Guarda

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-da-guarda/

Museu Muncipal do Sabugal
A criação do  Museu do Sabugal teve como objectivo dedicar-se à história da ocupação do do território de Riba Côa ao longo dos séculos.
Para isso pode ver-se no local  uma exposição permanente de cariz arqueológico, com objetos recolhidos no concelho do Sabugal.
O Museu do Sabugal é ainda dotado de um espaço para exposições temporárias.
Morada:
Largo de S. Tiago
6320-447 Sabugal
Telefone: 271 750 080

Correio eletrónico: contacto@museusabugal.net
museu.municipal@cm-sabugal.pt

http://www.museusabugal.net/index.html

Estatueta feminina de bronze. Séculos I-II. Chão do Pombal, Moita. Museu do Sabugal

DISTRITO DE LEIRIA

Museu Dr. Joaquim Manso, Nazaré

Telef.: (+351) 262 562 801
e-mail: mjmanso@drcc.gov.pt
https://www.facebook.com/MuseudaNazare
Rua D. Fuas Roupinho
2450-065 Nazaré

Highlights info row image

262 562 801

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-dr-joaquim-manso/

Museu da Comunidade Concelhia da Batalha, Batalha

Estátua de Magistrado proveniente de Collipo. Século I inícios do II d. C.

a partir de: http://www.ointerior.pt/noticia.asp…

DISTRITO DE LISBOA
ALENQUER

Museu Municipal Hipólito Cabaço
Tem colecções de Arqueologia que vão desde o Paleolítico à Época Medieval.
Localizado no centro histórico de Alenquer, o Museu Municipal Hipólito Cabaço, «está instalado no edificio da antiga Aula do Conde de Ferreira, cuja construção se iniciou em 1871, vindo a ser inaugurado em 20 de novembro do ano seguinte. Parece tratar-se da primeira edificação entre todas as 120 escolas de instrução pública instituídas por testamento do benemérito Joaquim Ferreira dos Santos, Conde de Ferreira (1782-1866), feito no Porto em 15 de março de 1866. Estes estabelecimentos, todos com um traçado arquitetónico semelhante e contemplando moradia para os professores, constituíram, no seu conjunto, o mais vasto plano de construção de escolas de um legado particular. Uma calçada próxima ao edifício da antiga escola ostenta o nome do insigne testador».
http://www.cm-alenquer.pt/CustomPages/ShowPage.aspx?pageid=d9e84a6b-0e11-4157-8603-19dc0c4cdbd1

                                                      Mapa elaborado por Mário Jorge Almeida

LISBOA


Museu da Cidade, Lisboa
Trata-se de um museu polinucleado, constituído por cinco espaços distintos: Palácio Pimenta, Teatro Romano, Santo António, Casa dos Bicos e Torreão Poente. Os quatro primeiros núcleos apresentam exposições de longa duração.

https://www.facebook.com/pages/Museu-da-Cidade/1440048319561345?fref=ts

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-da-cidade/

Museu do Teatro Romano de Lisboa

https://www.facebook.com/pages/Museu-Do-Teatro-Romano/157802764285851?fref=ts

Núcleo Arqueológico da Casa dos Bicos
Construída entre 1521 e 1523, a casa pertenceu à família de Afonso de Albuquerque, tendo sofrido bastante com o terramoto e o passar do tempo. A reabilitação promovida em 1981 devolveu-lhe a volumetria original.
Hoje parcialmente ocupada  pela Fundação José Saramago, tem no piso térreo o núcleo arqueológico, composto por uma área expositiva e pelos vestígios arqueológicos.http://www.egeac.pt/equipamento/museu-de-lisboa-nucleo-arqueologico-da-casa-dos-bicos/Museu Calouste Gulbenkian

Exemplar dos séculos III-IV (ou posterior ?), pertencente ao acervo do Museu da Fundação Calouste Gulbenkian. Vidro romano. A. 15 cm.
Inv.° 1034. Fotografia e informação a partir de:

http://museu.gulbenkian.pt/…/Antigui…/ArteGreco-Romana/Obra…

Museu Geológico de Lisboa

Alperegatas provenientes de Aljustrel. Fotografia Portugal Romano

Museu Municipal de Loures

Instalado no 13.º convento dos frades franciscanos da Província de Santa Maria da Arrábida, o Museu Municipal de Loures apresenta, desde 26 de julho de 1998, exposições de temática arqueológica e etnográfica, com o intuito de dar a conhecer a marca das populações rurais do município, bem como a história do concelho de Loures.Possui duas salas de exposições, oficinas, reservas visitáveis, um centro de documentação especializado em história local, loja, cafetaria com esplanada, parque de estacionamento e acesso para pessoas com mobilidade reduzida.Tem colecções de Arqueologia.
Faz articulação com os restantes Museus do concelho.

Museu do Vinho e da Vinha

Museu Municipal de Loures

Museu de Cerâmica de Sacavém

Galeria Municipal Vieira da Silva

Galeria Municipal do Castelo de Pirescouxe

Casa-Museu José Pedro

Núcleo Museológico Luís Serra

pp.cm-loures.pt/inweb/geral.aspx

http://www.cm-loures.pt/Media/Microsite/Cultura/museu-municipal-de-loures.htmlhttp://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-municipal-de-loures/

http://www.cm-loures.pt/Media/Microsite/Cultura/museu-municipal-de-loures.html

Museu Municipal de Vila Franca de Xira

https://www.facebook.com/pages/Museu-Municipal-de-Vila-Franca-de-Xira/360698410738281?fref=ts

Museu da Vila, Cascais

http://www.cm-cascais.pt/equipamento/museu-da-vila

«Mini-máscara de terracota representado a face de um negro. Proveniente do povoado romano do Alto do Cidreira (Carrascal de Alvide, Cascais), o exemplar foi descoberto por Maria Coelho (habitante local) quando estava a ceifar erva. A descoberta chegou ao conhecimento de Guilherme Cardoso, sendo que posteriormente o exemplar viria a ser adquirido por D. António de Castello Branco, acabando por ser oferecido ao Museu Condes de Castro Guimarães. Actualmente, encontra-se exposto no Museu da Vila de Cascais (D. António de Castello Branco, Octávio da Veiga Ferreira e Guilherme Pereira Cardoso, “Descoberta de uma mini-máscara de «terra cota» na estação lusitano-romana do Alto da Cideira (Cascais)”, Revista de Estudos Italianos em Portugal, n.º 33-35, 1970-1972, pp. 101-104)».

Foto: Marco Oliveira Borges e informação obtida a partir de: Cascais durante a Idade Media

https://www.facebook.com/CascaisduranteaIdadeMedia

Museu Municipal Leonel Trindade, Torres Vedras

DISTRITO DO PORTALEGRE


Galeria de Exposições da Fundação de Alter Real

http://www.alterreal.pt/?q=turismo/visitas-guiadas-a-coudelaria-de-alter/visitas-%C3%A0-coudelaria-de-alter

Museo Etnográfico de Campo Maior (Portugal).

Diversos recipientes (taças e pratos) de Terra Sigillata Sudgálica importados principalmente de La Graufesenque (Millau, Francia). Museu Etnográfico de Campo Maior (Portugal). Fotografia José Manuel Jerez Linde

  • tel: 268688937

DISTRITO DO PORTO

Museu Municipal Amadeo de Souza Cardoso – Amarante


Museu de Penafiel

O Museu Municipal de Penafiel criado em 1948 reúne uma vasta coleção de Arqueologia, Etnografia e História Local que pode ser vista ao longo dos cinco núcleos «Da Identidade, Do Território, Da Arqueologia, Dos Ofícios e Da Terra e Da Água». O Museu Municipal de Penafiel possui uma sala de Exposições Temporárias, para mostras de curta duração.

http://www.museudepenafiel.com/apresentacao/apresentacao.phphttp://www.cm-penafiel.pt/…/museus-e-nucleos-museologicos/c…

Museu Municipal de Etnologia e História da Póvoa de Varzim


Museu Municipal Abade Pedrosa, Santo Tirso

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-municipal-abade-pedrosa/

DISTRITO DE SANTARÉM


Museu Municipal de Coruche

http://www.cm-coruche.pt/atividade-municipal/cultura/museu-municipal

Gema com representação de Minerva. Apareceu em contexto de escavação (achado de superfície), em Águas Belas, Coruche. É uma cornalina alaranjada, datável do Século I d.C.. Minerva encontra-se em frente a um troféu de armas, tratando-se de um dos vários tipos iconográficos com que surge representada.
Museu Municipal de Coruche. Fotografia e informação da legenda de Graça Cravinho a quem se agradece.

Museu Municipal de Torres Novas


Museu de Benavente


Galeria Municipal de Rio Maior

http://www.cm-riomaior.pt/atividade-municipal/cultura/item/199-espólio-da-villa-romana

Ninfa fontenária proveniente da Villa romana de Rio Maior

DISTRITO SETÚBAL


Ecomuseu Municipal do Seixal

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/ecomuseu-municipal-do-seixal/

Museu Municipal de Santiago do Cacém

Museu Municipal de Alcochete


Museu de Arqueologia e Etnologia do Distrito de Setúbal

O Museu tem uma Exposição permanente de Arqueologia que percorre o tempo, desde o Paleolítico inferior até à Época romana. 

Tem ainda uma exposição permanente de Etnografia, onde se apresentam as actividades tradicionais do Distrito de Setúbal:

Informação citada a partir de:
http://maeds.amrs.pt/exposicoes.html
https://www.facebook.com/Museuarqueologiasetubal?fref=ts

Museu de Setúbal – Convento de Jesus

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-de-setubal-convento-de-jesus/

Ver: «A Arqueologia no Museu de Setúbal/Convento de Jesus». Maria João Cândido e José Luís Neto.
Revista da Faculdade de Letras
CIÊNCIAS E TÉCNICAS DO PATRIMÓNIO
Porto 2008-2009
I Série, Volume VII-VIII, pp. 115-125

http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/9409.pdf

http://www.patrimoniocultural.pt/media/uploads/revistaportuguesadearqueologia/11_1/5/10Resultadosdasescavacoes.pdf

Museu de Sines e Casa de Vasco da Gama

http://www.sines.pt/pt/viver/memoria/museucvg/paginas/default.aspx

DISTRITO VIANA DO CASTELO


Museu Municipal de Viana do Castelo


Museu Regional de Paredes de Coura


DISTRITO VILA REAL

Museu de Arqueologia e Numismática de Vila Real

As coleções do Museu são fundamentalmente de arqueologia e numismática,composta por cerca de 35.000 moedas, das quais quase 5.000 se exibem na Exposição Permanente de Numismática, datadas do século V a. C ao século VIII d. C., sendo a sua maioria ada da época do Império Romano. O acervo do Museu possui também uma colecção de arte.

http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-de-arqueologia-e-numismatica-de-vila-real/

Museu da Região Flaviense, Chaves


O Museu da Região Flaviense é uma rede de museus municipais de carácter público que tem como missão dar a conhecer a história da região flaviense. Possui 4 núcleos, um dos quais de Arqueologia e Pré-História, situado no antigo paço dos Duques de Bragança

Gema com representação da deusa Fortuna. A gema em que foi gravada é o SARDO (e não o vidro vulcânico, como alguns arqueólogos a classificavam).

Proveniente do Castro de Carvalhelhos. Primeira metade do Século I d.C.. Museu no Museu Municipal da Região Flaviense. Fotografia e descrição gentilmente cedida por Graça Cravinho

DISTRITO DE VISEU

Museu de Lamego


O Museu de Lamego localiza-se no edifício do antigo Paço Episcopal, mandado reedificar no século XVIII pelo bispo D. Manuel de Vasconcelos Pereira. Foi instituído a 5 de Abril de 1917, com o objetivo de conservar e expor as obras de arte existentes na cidade e região.
O seu espólio foi inicialmente constituído pelos objetos já existentes no Paço, complementado com diversos elementos provindos do extinto Convento das Chagas de Lamego, aos quais se somaram o acervo arqueológico da Câmara Municipal e, até aos nossos dias, com o seu permanente enriquecimento através de doações.

A colecção em exposição permanente reflete a própria história do museu, destacando-se pela sua diversidade. O espólio original do Paço Episcopal, sobretudo composto por mobiliário, tapeçaria, pintura e escultura, complementado com elementos de ourivesaria, paramentaria, azulejaria e retábulos de talha dourada das capelas do extinto Convento das Chagas de Lamego.

De toda a coleção, assumem especial relevância os objetos classificados pelo Estado Português como Tesouros Nacionais: uma arca tumular medieval, decorada com uma cena de caça; os painéis que Vasco Fernandes (Grão Vasco) pintou para a capela-mor da Sé de Lamego entre 1506 e 1511; o conjunto de tapeçarias flamengas, tecidas em Bruxelas na primeira metade do século XVI que inclui os quatro panos com desenho atribuído a Bernard Van Orley, representando a tragédia de Édipo, e os painéis de azulejos figurados com cenas bucólicas e de caça, do século XVII.O Museu de Lamego integra ainda uma colecções de Arqueologia e tem sob a sua responsabilidade a gestão direta do projeto Vale do Varosa, permitindo uma gestão de proximidade e beneficiando o projeto dos recursos e know-how de um equipamento cultural já previamente instalado na região. www.valedovarosa.gov.pt
Informação a partir de:

Museu de Lamego
Largo de Camões
5100-147 Lamego
Tel: 254 600230
E-mail: mlamego@culturanorte.gov.pthttp://www.museudelamego.gov.pt/historia/

www.museudelamego.gov.pt
www.facebook.com/museu.de.lamego

Museu Grão Vasco, Viseu

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-grao-vasco/
Museus de Arqueologia

DISTRITO DE BEJA


Museu da Lucerna

https://www.facebook.com/pages/Museu-da-Lucerna/107844232664139?fref=ts

https://www.facebook.com/museuescritadosudoeste?fref=ts

Museus de Mértola

https://www.facebook.com/campoarqueologicodemertola?fref=ts

Museu de Arqueologia de Serpa

Nenhuma descrição de foto disponível.

O Museu Municipal de Arqueologia é organizado em dois módulos, o módulo da História da Cidade, que deverá ser implementado na Rua da Barbaçã e o módulo do Território,  que se localiza na antiga Casa do Governador, na Alcáçova do Castelo.

O MMA  apresenta uma sala no piso térreo (Pré-História até à Idade do Ferro),e uma ouyra sala no piso superior (Época Romana, Antiguidade Tardia e Período Árabe), tendo ainda uma área expositiva no exterior. Integra alguns dos achados arqueológicos encontrados nos últimos tempos no concelho, bem como peças cedidas provenientes de colecções particulares.

Nenhuma descrição de foto disponível.

Imagem e texto baseado em aqui

Morada

Alcáçova do Castelo – 7830 Serpa
Horário 
Terça-feira a domingo
9h30-12h30  /  14h30-17h30

A partir de dia 01 de novembro, os horários do Castelo e do Museu de Arqueologia são os seguintes:09hh00 – 12hh0014hh00 – 17hh00

Telefone

00351 284 544663

E-Mail
museuarqueologia@cm-serpa.pt

DISTRITO DE BRAGA

Jarros de vidro do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa


Museu Regional de Arqueologia D. Diogo de Sousa, Braga

https://www.facebook.com/MDDS.Divulgacao?fref=ts

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-de-arqueologia-d-diogo-de-sousa/

Museu da Geira, Terras do Bouro

O Museu da Geira foi inaugurado em junho de 2013, tratando-se de um edifício de raiz, e tendo como tema central a abordagem das técnicas de construção das Vias Romanas, bem como os transportes utilizados na época, uma vez que o concelho de Terras de Bouro preserva atualmente, um percurso com a extensão de 30 quilómetros da antiga via que ligava Astorga a Braga.

Aqui


DISTRITO DE BRAGANÇA

Museu de Arqueologia e Numismática, Bragança


O espaço museológico pretende dar a conhecer a história antiga do território que correspondente ao actual concelho, desde o Neolítico até à Idade Média através de materiais dos sítios arqueológicos escavados, com destaque para o local metalúrgico do sítio da Fraga dos Corvos (Idade do Bronze) e para a habitação “Zela”, reconstituída a partir dos vestígios dos sítios da Terronha do Pinhovelo e do Cramanchão (Idade do Ferro/Período Romano).

278448007elsaluis.museus@terrasquentes.com.ptquarta-feira a domingo (excepto feriados)10:00H – 12:30H / 14:00H – 17:00Hhttps://www.facebook.com/museudevilareal

Museu Municipal de Macedo de Cavaleiros Coronel Albino Pereira Lopo 
http://www.cm-macedodecavaleiros.pt/frontoffice/pages/316?poi_id=207

DISTRITO DE CASTELO BRANCO

Museu Epigráfico Egitaniense, Idanha-a-Velha

https://beira.pt/diretorio/nucleo-epigrafico-complexo-monumental-de-idanha-a-velha/

Rua do Lagar, Idanha-a-Velha, Castelo Branco.

Museu Arqueológico Municipal José Monteiro, Fundão

Ninfeta do Museu do Fundão. Fotografia Alexandra CL

Tendo origem no núcleo fundado em 1942 por José Monteiro, o Museu Arqueológico Municipal foi inaugurado em 2007, encontra-se instalado no antigo Solar Taborda Falcão de Elvas.

Dispõe de uma sala de exposição permanente, com representação da ocupação humana, desde a pré-história ao final do período romano, um espaço para exposições temporárias, um auditório, um laboratório de conservação e restauro, biblioteca e ainda um bar.

https://www.cm-fundao.pt/oquefazer/Museu_Arqueol%C3%B3gico_Municipal

Horário de Funcionamento: Terça-feira a sexta-feira: 9h00-12h30 | 14h00 – 17h30
Sábado e Domingo: 14h00-17h30Encerra: Feriados Nacionais e Municipais; 1 de Janeiro; 1 de Maio; Domingo de Páscoa e 25 de Dezembro
Contactos:
Telf: 275 774 581
Telm: 961 941 287
Fax: 275 774 583
Email: geralmuseu@cm-fundao.pt

DISTRITO DE COIMBRA

Museu Nacional Monográfico de Conímbriga

Criado em 1962 o Museu de Conímbriga é exclusivamente dedicado ao sítio arqueológico em que está inserido. A sua colecção é diversificada e materializa a evolução histórica do lugar, entre finais do segundo milénio antes de Cristo e o séc. VI da era cristã. Os objectos em exposição foram encontrados durante as escavações que, com grandes interrupções, se realizaram desde 1898 e, organizados por trinta e um temas distintos que reflectem a vida desta cidade.
A Villa romana do Rabaçal possui também um núcleo meuseológico onde é possível conhecer a grande casa agrícola e o fantástico acervo daí proveniente.

https://www.facebook.com/pages/Museu-Monográfico-Conimbriga/160307030710756

http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-monografico-de-conimbriga/

Telf(s):+351 239 941 177E-mail:geral@conimbriga.dgpc.ptSite:http://www.conimbriga.pt/
Museu da Villa Romana do Rabaçal

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-da-villa-romana-do-rabacal/

Complexo Monumental de Santiago da Guarda

Este conjunto é constituído por uma Torre Medieval e um Paço fortificado dos séculos XVI/XIX, construídos sobre uma villa romana, sendo aquela edificação um dos raros edifícios civis que ostenta a vieira, símbolo da sua função de apoio do Caminho Português de Santiago, traçado sobre a antiga estrada romana. 

Integra-se no Circuito da Romanização, e trata-se de um centro de interpretação do património arquitectónico e da paisagem das Terras de Sicó e de Centro Multi-Rotas do Turismo Ambiental. 

Por baixo da torre são visíveis os vestígios do átrio da villa romana, com os seus mosaicos. 

No Solar dos Condes de Castelo Melhor, poderá observar o centro de interpretação, a capela Manuelina e uma loja de produtos regionais. 
Santiago da Guarda. 3240-690 Ansião. T +351 236 672 025. F +351 236 677 190

DISTRITO DE ÉVORA


Museu de Arqueologia do Castelo de Vila Viçosa

Aberto ao público em 1999, neste Museu estão representados todos os períodos cronológicos, embora seja de salientar a Época Romana.

Terreiro do Paço
7160-251 Vila Viçosa268 980 659

http://www.fcbraganca.pt/castelo/marqueologia.html


DISTRITO DE FARO

Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira

https://www.facebook.com/mma.albufeira?fref=pb&hc_location=profile_browser

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-municipal-de-arqueologia-de-albufeira/

Museu Municipal de Arqueologia de Silves

Inaugurado em 1990, o Museu Municipal de Arqueologia de Silves foi construído em torno do Poço-Cisterna Almóada dos séculos XII-XIII – descobertonas escavações arqueológicas decorridas nos anos 80 do séc. XX. 

Integra também a muralha da cidade do mesmo período.

O acervo do Museu constitui-se maioritariamente por um conjunto de objetos do Paleolítico, passando pelo Neolítico, pelo Calcolítico, pela Idade do Bronze, pela Idade do Ferro, pelo Período Romano, salientando-se as peças do Período Medieval, com destaque para o Período Muçulmano – Omíada, Califal, Taifa, Almorávida e Almóada, desde o século VIII ao século XIII, na sua maior parte do período Almóada, dos séculos XII-XIII.

A coleção reúne também um conjunto de objetos do período moderno – séculos XV, XVI e XVII –, que atestam a influência das rotas comerciais e os contactos da cidade com outras regiões do globo. 

Dividida em oito núcleos temáticos, a coleção poderá ser visitada cronologicamente desde o Paleolítico até ao século XVII.

Texto baseado em:

http://cm-silves.pt/pt/menu/547/museu-municipal-de-arqueologia-de-silves.aspx

Museu de Arqueologia de Loulé

Rua D. Paio Peres Correia, n.º 17
Loulé

museu@cm-loule.pt

http://www.museudeloule.pt

Museu e Ruínas Romanas do Cerro da Vila, Vila Moura

Museu Cerro da Vila
Local: Vilamoura
Foto: Vilamoura World

Para melhor conhecer, consulte aqui

Pode ainda consultar aqui

DISTRITO DA GUARDA


Museu da Casa Grande de Freixo de Numão – Vila Nova de Foz Côa 

DISTRITO DE LISBOA

Museu Nacional de Arqueologia, Lisboa


«Criado por Decreto Régio em 1893, sob a designação de “Museu Etnológico Português, teve como seu fundador e primeiro director José Leite de Vasconcellos. As coleções etnográficas no seu conjunto refletem na sua origem, constituição e organização, a própria história do Museu Nacional de Arqueologia, que, no seu conceito fundacional, se designou Museu Etnológico, muito embora a componente arqueológica tivesse sido dominante desde o início. E se, no programa inicial de 1893-1894, se haviam consagrado apenas duas secções – a Arqueológica e a Moderna – uma terceira é muito precocemente acrescentada – a de Antropologia Física. O Museu ocupou inicialmente as instalações da Academia das Ciências de Lisboa, até 1903, quando se mudou para o edifício dos Jerónimos, tendo aberto ao público em 1906. O acervo do Museu reúne as colecções iniciais do fundador e de Estácio da Veiga. A estas somaram-se numerosas outras de trabalhos arqueológicos realizados sob tutela do Museu, bem como doações ou legados, a exemplo de Bustorff Silva, Luís Bramão, Samuel Levy. Foram ainda feitas incorporações a partir de outros departamentos do Estado, como as colecções de arqueologia da antiga Casa Real Portuguesa, após a implantação da República; colecções de arqueologia do antigo Museu de Belas Artes, quando se criou o actual Museu Nacional de Arte Antiga, entre outros. Para além das exposições permanentes e temporárias, o Museu oferece inúmeros outros serviços como a edição regular de publicações, de que se salienta a revista científica “O Arqueólogo Português”, desde 1895. Tem um laboratório de conservação e restauro de bens arqueológicos e uma biblioteca especializada, aberta ao público. Possui uma área de acolhimento com recepção, loja e livraria. Promove a realização de seminários, conferências e cursos da especialidade, bem como eventos de índole cultural, estando dotado de um serviço educativo e de extensão cultural».
Citação a partir de:

https://www.facebook.com/Museu-Nacional-de-Arqueologia-308510899048/

http://www.museuarqueologia.pt/

Mosaico das Musas, Torre de Palma, MNA

Nenhuma descrição de foto disponível.

Museu Arqueológico do Carmo

O Museu Arqueológico do Carmo instalado nas Ruínas do Carmo integra peças de valor histórico, arqueológico e artístico, numa cronologia ampla que contempla artefactos e obras desde a Pré-História à época contemporânea.

A imagem pode conter: 1 pessoa, ar livre

Para melhor conhecer consulte aqui

Sarcófago das Musas. Proveniente de Valado de Frades – Alfeizerão
Museu do Carmo

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-arqueologico-do-carmo/

Museu Arqueológico de são Miguel de Odrinhas – Sintra

Nenhuma descrição de foto disponível.

Pode dizer-se que Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas tem as suas origens remotas, quando alguém no Renacimenro, quando alguém – muito provavelmente Francisco d’Ollanda – decidiu reunir em torno da antiga Ermida de São Miguel um conjunto de monumentos epigráficos encontrados por entre as ruínas romanas ainda então visíveis no local.
Mais recentemente, em 1955, numa atitude de alguma forma pioneira, a Câmara Municipal de Sintra edificou, em plena zona rural, um pequeno núcleo museológico.
O actual Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas, aberto ao público em 1999,herdou, do mais remoto, o espírito humanista e cosmopolita do Renascimento e, do mais recente, colheu o vínculo privilegiado ao meio que o rodeia e à população rural do Termo de Sintra.
Na exposição permanente “O Livro de Pedra”, poderá ver: Sarcófagos etruscos, monumentos romanos, lintéis “visigotistas”, túmulos medievais e outras lápides epigrafadas perfazem.

Texto adaptado de: http://museuarqueologicodeodrinhas.cm-sintra.pt/apresentacao.php

DISTRITO DE PORTALEGRE

Museu da Cidade da Ammaia, Marvão

Nenhuma descrição de foto disponível.


Neste edifício, encontra-se exposta uma parte do imenso espólio recolhido nos trabalhos de escavação arqueológica realizados na área da Cidade de Ammaia. No local podem ainda ver-se restos de algumas estruturas arqueológicas.

Para melhor conhecer, veja aqui.

Pode ser uma imagem de 1 pessoa
Nenhuma descrição de foto disponível.
Estátua de togado com bulla. Museu da Fundação da Ammaia

https://www.facebook.com/pages/Ammaia/443151045800724?fref=ts

Museu de Arqueologia e Etnografia, Elvas

DISTRITO DO PORTO


Museu Municipal Abade de Pedrosa – Santo Tirso

DISTRITO SANTARÉM


Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes

DISTRITO DE SETÚBAL

Museu Municipal Pedro Nunes – Alcácer do Sal

Museu da Luz

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-da-luz/

Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado no Vale do Tejo

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-de-arte-pre-historica-e-do-sagrado-no-vale-do-tejo/

Centros Interpretativos e Núcleos Museológicos (em elaboração)

Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro , Distrito de Lisboa

O acervo exposto é constituído por armas da época das Guerras Peninsulares e por artefactos arqueológicos doados pela população local. 

http://www.cm-lourinha.pt/cibvexposicoes

Centro Interpretativo de S. Lourenço (CISL), Esposende

http://www.visitesposende.com/pt/fazer/monumentos/centro-interpretativo-de-s-lourenco

Centro Interpretativo do Castro de Monte Mozinho, em Penafiel.

http://www.museudepenafiel.com/informacoes/horario.php?h=3

Centro Interpretativo do Sítio Arqueológico de Miróbriga – Santiago do Cacém.

A imagem pode conter: céu e ar livre
Centro Interpretativo de Miróbriga, Santiago do Cacém.
A imagem pode conter: interiores

Para melhor conhecer, consulte aqui e aqui

Centro Interpretativo Villa Romana de S. Cucufate.

Casa do Arco, Vila de Frades

Centro Interpretativo de Milreu

Centro Interpretativo da Casa da Medusa, Alter do Chão (em fase de adaptação)



Cripta Arqueológica do Castelo de Alcácer do Sal


As escavações aí realizadas colocaram a descoberto uma complexa rede de estruturas com uma cronologia que vai desde os tempos proto-históricos até à Idade Moderna. Ao tecido urbano da Idade do Ferro sobrepõem-se as estruturas romanas, muçulmanas, medievais e modernas, em que se encontrou um interessante conjunto de cerâmica e numismática. Na Cripta Arqueológica expõem-se os materiais provenientes dessas escavações.

Pequena estatueta de dama romana, proveniente de escavações na cripta.




Núcleo de Arqueologia de Alcoutim

Criado em abril de 2000 e renovado em 2003, 2006 e 2011, o Núcleo de Arqueologia situa-se no interior do Castelo da Vila, onde estão patentes exposições do património arqueológico do concelho de Alcoutim

https://www.academia.edu/…/Guia_do_n%C3%BAcleo_de_arqueolog…

http://cm-alcoutim.pt/pt/379/nucleo-de-arqueologia.aspx

Núcleo Arqueológico da Rua dos Correeiros, Lisboa.




Núcleo Arqueológico do Castelo de S. Jorge
, Lisboa

O Núcleo Arqueológico tem uma colecção constituída por um acervo de objetos encontrados na área arqueológica (Núcleo Arqueológico), proporcionando a descoberta das múltiplas culturas que, desde o século VII a.C. ao século XVIII, foram ocupando o território da actual Lisboa , com particular destaque para o período islâmico do século XI-XII.

Para melhor conhecer, pode consultar aqui

Nenhuma descrição de foto disponível.




Núcleo Museológico da Rua do Sembrano, Beja

Núcleo Interpretativo da Rua do Sembrano, Beja.

Nenhuma descrição de foto disponível.
Lucernas em exposição no Núcleo Interpretativo da Rua do Sembrano, Beja.



Para melhor conhecer, consulte aqui


Centro Interpretativo da Alcáçova de Santarém

Neste espaço museológico estão expostos os achados arqueológicos da antiga Alcáçova e arredores.

Através de dispositivos multimédia pode ainda ficar a conhecer os diferentes períodos cronológicos abordados, desde a pré-história até à época contemporânea.

Para melhor conhecer, pode consultar aqui



Centro Interpretativo do Conjunto Mineiro de Três Minas, Vila Pouca de Aguiar, Vila Real

Trata-se da recuperação de um imóvel já existente que permite dar a conhecer a actividade mineira desde épocas remotas.
É conhecido o processo de exploração em larga escala do ouro de Tresminas, iniciado há cerca de 2.000 anos pelos Romanos, que transformou o local numa das mais extensas minas romanas em território actualmente português e uma das mais importantes em todo o Império Romano. Durante os séculos I e II, assiste-se a uma intensa atividade mineira com a abertura de imponentes crateras de exploração a céu aberto (cortas), trincheiras, poços ou galerias subterrâneas que serviam para extrair todo o material mineralizado. 

Torre de Almofala, Castelo Robrigo

Centro Interpretativo da Torre de Almofala

A Torre de Almofala, classificada como Monumento Nacional, ergue-se num pequeno planalto existente no cimo de uma colina pertencente à freguesia de Almofala, concelho de Figueira de Castelo Rodrigo.

O sítio da Torre é conhecido na região como Casarão da Torre, Torre dos Frades, Torre de Aguiar ou Torre das Águias. Em documentos mais antigos surge com o nome de Turris Aquilaris.

A Torre de Almofala é de fundação romana, que foi originalmente utilizado como templo. No espaço de tempo compreendido entre a Alta Idade Média e a altura em que foi remodelado, terá conservado a sua traça original.

(Fonte: Templo Romano de Almofala de Helena Frade, a partir de aqui)

Centro Interpretativo de Tongobriga, Freixo.


Pretende dar a conhecer a Cidade romana foi edificada entre o final do século I e o início do século II sobre um povoado de época anterior.

As estruturas que foram até agora identificadas – áreas habitacionais, necrópoles, fórum, teatro e edifício das termas – expressam a importância desta localidade, que chegou a ascender a capital de civitas. Uma basílica paleocristã comprava que o seu prestígio se manteve-se para além da queda do Império.

Centro Interpretativo de Arqueologia de Salir


Núcleo Museológico de Dume, poderá fazer download do seu guia, a partir do RepositoriUM, no seguinte endereço:

Universidade do Minho: Núcleo museológico de Dume: guia
http://hdl.handle.net/1822/55052
http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/55052

CI-PAVT, ou Centro de Interpretação do Parque Arqueológico do Vale do Terva, Boticas, Vila Real

«O Parque Arqueológico do Vale do Terva/PAVT é um projeto conjunto do Município de Boticas e da Universidade do Minho, iniciado em 2006 com o programa de “Conservação, Estudo, Valorização e Divulgação do Complexo Mineiro Antigo do Vale Superior do Rio Terva, Boticas”, que a partir de 2010 começou a ser executado com cofinanciamento da União Europeia (EEC PROVERE AQUANATUR-PA/1/2011, do Eixo Prioritário II-Valorização Económica de Recursos Específicos, do ON.2-O Novo Norte).

O PAVT tem por objetivo promover a gestão integrada dos valores patrimoniais naturais e culturais do seu território, numa perspetiva de desenvolvimento estratégico assente na valorização dos recursos locais, suscetível de criar novos serviços na área da cultura e do turismo e assim aumentar a atratividade de Boticas.

Ao considerar também os valores naturais e, sobretudo, ao valorizar a participação e contributo das populações residentes, as suas realizações e anseios, o projeto PAVT é muito mais do que simples atuação sobre o património arqueológico. Com infraestruturas como o Centro de Interpretação e o núcleo etnológico da Casa das Memórias, em Bobadela, circuitos interpretados de visitação e plataformas de observação dos recursos patrimoniais, o PAVT constitui-se como um instrumento de promoção de desenvolvimento cultural, social e económico, com o qual se procura responder aos desafios societais e ambientais do presente»

A partir de:
PARQUE ARQUEOLÓGICO DO VALE DO TERVA

http://www.pavt-boticas.pt/index.php?page=2

Ver também:

DGPC | Museus e Monumentos | Rede Portuguesa de Museus |…

 Que Sítios? Que Museus? Que Comunidades? Das utopias às Realidades
Aqui